CME-HORMÔNIO TIROESTIMULANTE - TSH

SairImprimir



Descrição do Documento
Aprovador1:Odilon Denardin
Versão do Documento:3
Regional/Marca: DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA
Setor no Laboratório:ANALISES CLINICAS
Seção no Laboratório:HORMONOLOGIA
Nome do Exame-Procedimento:HORMÔNIO TIROESTIMULANTE - TSH
Doenças Relacionadas - A: ARTROPATIA DO HIPOTIROIDISMO
TIREOTOXICOSE COM OU SEM BOCIO
HIPOTIREOIDISMO ADQUIRIDO
ALTERAÇÕES TIREOIDIANAS INDUZIDAS POR MEDICAMENTO
DISLIPIDEMIA SECUNDÁRIA AO HIPOTIREOIDISMO
HAS SECUNDÁRIA AO HIPERTIREOIDISMO
ARTROPATIA DO HIPERTEIROIDISMO
SINDROME DO DOENTE GRAVE EM EUTIROIDISMO
BOCIO NAO ESPECIFICADO
Doenças Relacionadas - B: RETARDO DO DES.SEXUAL E DA PUBERD.N/CLAS.OUT.PARTE
NEOPLASMA BENIGNO DA GLANDULA TIREOIDE
NANISMO HIPOFISARIO
HAS SECUNDÁRIA À ACROMEGALIA
HEMOSSIDEROSE/HEMOCROMATOSE
INSUFICIENCIA CORTICO-SUPRA-RENAL
Doenças Relacionadas - C: TAQUICARDIA SUPRAVENTRICULAR PAROXÍSTIVA
TAQUICARDIA PAROXÍSTICA
INSUFICIENCIA CARDIACA
SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS
ARRITMIAS CARDIACAS
OSTEOPOROSE
OSTEOPOROSE
DISLIPIDEMIA SECUNDÁRIA À SÍNDROME DE CUSHING
FLUTTER E FIBRILAÇÃO ATRIAL
Código do Documento:CME-00366-DASA
Sinônimos: Hormônio Estimulador da Tireóide
Tireotrofina
Metodologia DA e Outros - Equipamentos:Quimioluminescência: método com duplos anticorpos que se ligam a diferentes epítopos do antígeno, no caso a peroxidase tireoidiana, um ligado a uma fase sólida e o outro marcado. Após a reação é feita a leitura do marcador luminoso. Na reação típica dos ensaior imunométricos, o Ag liga-se ao Ac de captura
e o segundo Ac, marcado, liga-se a esse complexo, formando um “sanduiche” => [ Ac___TSH____Ac*].
Após feita a lavagem, este complexo é separado e é feita a contagem, que é diretamente proporcional à
concentração dos analitos.
Indicações:Triagem em pacientes com sinais e sintomas de doença tireoidiana
Triagem em populações de risco para doenças tireoidianas
Avaliação de pacientes com clínica de hiper ou hipotireoidismo
Monitorização do tratamento de reposição e de supressão com hormônio tireoidiano.
Significância de Resultados:É o principal exame utilizado na pesquisa de doença tireoidiana, já que amplifica as alterações dos hormônios tireoidianos, isto é, pequenas alterações nos hormônios livres resultam em alteração mais precocemente do TSH.
Interpretação Clínica:Uma variação considerável na concentração do TSH sérico é atribuída à secreção pulsátil e às variações noturnas, podendo ser responsável pela grande variabilidade de resultados em um mesmo paciente, especialmente naqueles suspeitos de terem doença subclínica.
A American Thyroid Association recomenda que a triagem para doença tireoidiana seja realizada após os 35 anos, com a dosagem do TSH e repetida a cada 5 anos, em ambos os sexos, com ênfase no sexo feminino. Em indivíduos com sinais e sintomas que possam ser atribuídos à disfunção tireoidiana e naqueles com fatores de risco, o exame deve ser mais freqüente. Estes últimos seriam pacientes que recebem medicação que altera a função tireoidiana, como lítio e amiodarona, outras doenças auto-imunes, hipercolesterolemia, apnéia do sono, depressão, deficiência do crescimento em crianças, etc.
Na avaliação de pacientes em reposição ou supressão com levotiroxina, a dosagem do TSH associado ao T4 livre ou ao T3 livre é indispensável para o ajuste da dose. No entanto, apenas seis a oito semanas após o ínício da medicação o TSH refletirá a suficiência ou não da dose administrada. Resultados ainda elevados antes desse período não devem ser levadas em consideração para alteração da dose.
Já na monitorização do tratamento do hipertireoidismo, o TSH não é o exame ideal, pois pode permanecer suprimido por alguns meses, mesmo com doses adequadas e o pacientes eutireoidiano, sendo mais indicados para esse fim o T4 e o T3 livres.
Na resistência ao hormônio tireoidiano deve-se estar atento, pois os pacientes apresentam níveis elevados de hormônios totais e livres associados a um TSH normal ou alto, devido ao defeito na retroalimentação negativa decorrente da resistência à ação do T3 na hipófise.
Uma outra situação na qual pode ser difícil diagnosticar doença tireoidiana com a dosagem do TSH é no caso de pacientes com hipotireoidismo hipotalâmico ou hipofisário, com TSH baixo, normal ou um pouco elevado, devido à presença de TSH anômalo. Apresenta-se elevado, assim como os hormônios tireoidianos, em pacientes com tumores produtores de TSH. Em pacientes com suspeita de disfunção tireoidiana e TSH normal, ou em pacientes que têm sintomas sugestivos de disfunção hipofisária, o T4 livre dosado concomitantemente ao TSH auxiliar no diagnóstico. Atualmente, o teste de estímulo com TRH com dosagem de TSH pode ser útiol no esclarecimento dessas condições (ver teste do TRH), mas é desnecessário para o diagnóstico do hiper e do hipotireoidismo primário, nos quais a dosagem basao com os métodos imunométricos são suficientes para diagnóstico.
Em doenças não tireoidianas severas, sabe-se atualmente que um quadro de hipotireoidismo central pode ocorrer, e o TSH baixo está associado à diminuição dos hormônios tireoidianos. Durante a recuperação, os pulsos de TSH precedem o aumento dos hormônios tireoidianos, permanecem altos por um período, e voltam ao normal posteriormente.
Podem diminuir o TSH: 5-hidroxitriptofano, AAS, Ác fusárico, Apomorfina, Bromocriptina, Carbamazepina, Ciproheptadina, Clofibrato Dopamina, Dobutamina, Fenclofenaco, Fentolamina, GH, Glicocorticóides, L-dopa, Lisuride, Metergolina, Metisergida, Peribidil, Pimozide, Ranitidina, Somastotatina, Tioridazina, TRIAC, Verapamil.
Podem aumentar o TSH: Ácido iopanóico, Antissépticos, Benzerazida, Biperideno, Cimetidina, Clomifene, Clorpromazina, Domperidone, Espironolactona, Estrogênios, Iodeto de Potássio, Fenilefrina, Fenitoína, Flunarizina, Furosemida, Haloperidol, Lítio, Melatonina, Metoclopramida, Rifampicina, Sulpiride, Teofilina.
A amiodarona geralmente aumenta o TSH, mas, com menos freqüência, também pode diminuí-lo.
Exames Correlatos:T4 e T3 toatia e livres. Teste do TRH na suspeita de hipotireoidismo central (alguns também recomendam para o diagnóstico diferencial entre resistência ao hormônio tireoidiano - em que ocorre resposta - e tumor produtor de TSH - no qual não ocorre resposta).
Bibliografia:Stan M, Morris J. Thyrotropin-axis adaptation in aging and chronic disease. Endocrinol Metab Clin North Am 2005; 34 (4): 973-92.
Laderson PW. American Thyroid Association Guidelines for Detection of Thyroid Disfunction. Arch Intern Med, 160: 1573-5, 2000.
Ross DS. Serum thyroid stimulating hormone measurement for assessment of thyroid function and disease. Endocrinol Metab Clin North Am, 30: 245-64, 2001.
Links Bibliográficos:


www.eurothyroid.com


Dados do Documento
Autor do Documento: Rosita Fontes
Data de Criação: 20/09/2002

Aprovação do Documento
Aprovador: Odilon Denardin
Data da Implementação: 02/07/2007
Data da Aprovação: 02/07/2007
Status Geral do Documento:Ativa



Histórico
HistóricoDocumento Criado em Rascunho por: Rosita Fontes em 29/06/2007 16:27
Documento foi enviado para Aprovação por: Rosita Fontes em 29/06/2007 17:16 para Odilon Denardin
Documento foi Aprovado por: Odilon Denardin em 02/07/2007 10:15